20 de novembro de 2012

Fistful of Love

A pior coisa de emigrar são as despedidas. Pior que as saudades, pior que as alturas em que me sinto sozinha. E nunca melhora. É horrível esta coisa de ter cá alguém e, de repente, já não ter. Estão comigo, vivem comigo, mas em dois minutos já não. Saem e já não voltam, ou voltam mas ainda falta muito tempo, porque NY não é ali ao lado. Saem e vão voar 5000 kms que vão ficar, mais uma vez, entre mim e eles. Torna-se quase um hábito dizer adeus, dar um abraço, "vemo-nos em Portugal" e aí já. desapareceram. É bom ter visitas, é bom ter pessoas que vêm do que foi e será sempre a minha casa. É uma segurança e um conforto a que já não estou habituada e que se calhar já nem quero estar, mas sabe bem. Por isso é  que as despedidas custam. E custam ainda mais quando tenho que me despedir de pessoas como a Ana.
Conheci-a quando fui a Portugal em Junho. Estava no Porto para o Primavera Sound e vi que a Ana e o Ricardo iam estar na Feira do Livro e como boa fã passei por lá. Eles foram uns queridos e escreveram-me umas dedicatórias interesseironas, que queriam casa e convites para os Óscares. Eles estavam a brincar, mas eu não. Seguiram-se e-mails e mensagens e uns mesinhos depois lá estavamos a almoçar num restaurante no Chiado (os raviolis de alheira, meu Deus!!!), quando a Ana me disse que queria ir uns tempos para Londres e eu pensei que ela estava era parva, que Londres é giro mas NY é que é. Vá, admito que pintei um quadro lindo da vida em NY para ver se a convencia e o que é certo é que nem dois meses depois ela estava à minha porta. Mal nos conhecíamos, é um facto, mas era como se fossemos amigas há anos. Tive uma sensação que é muito raro ter - encontrar alguém muito parecido comigo e com um sentido de humor que me percebia tão bem. Rimos que nem perdidas das coisas mais parvas, conversámos que nos fartámos, vimos montes de Sex And The City, fomos a São Francisco e andámos juntas para todo o lado. Neste último fim-de-semana o Ricardo veio juntar ainda mais diversão  à nossa vida americana. Sim, porque já está uma emigrante completa: diz "cinammon" em vez de canela, junta as palavras "meal" e "bag" a frases em português. Foi um leap of faith o que a Ana fez, vir de braços abertos para casa de uma miúda que podia ser a pior anfitriã da História, mas agradeço-lhe com todos os Elmos que há neste planeta por estas três semanas. Eu tinha dito que não ia chorar, mas quando li o texto no blog não me aguentei e fiz um pequeno lago no Lee Strasberg, acho que o meu professor de Singing pensou que alguém me bateu!


E quando cheguei a casa tinha isto à espera:









Obrigada meu pequeno Elmo felpudo por umas das semanas mais divertidas de sempre, já fazes falta cá em casa e já tenho muitas saudades. Infinitos abraçoooooooos e até daqui a um mês, para cumprirmos os 92387456 planos que já fizemos. Já sabes que tens sempre casa onde quer que eu esteja e um convite para os Óscares quando for receber um (ou quando for só assistir, para dizermos mal daquelas pirosonas todas!).
Love you.

20 comentários:

  1. Muito bonito!!
    Conta mais da tua aventura em NY e da paixao pela representaçao, como é que descobriste essa paixao? e a escolha de ser em ny? e como está a correr?

    ResponderEliminar
  2. Falo por experiência própria: por vezes, as amizades repentinas, vindas não sabes bem de onde nem como e que começam de um dia para o outro, são as que mais valor têm, as mais genuínas, as mais verdadeiras e as mais duradouras.

    ResponderEliminar
  3. Sei bem o que são despedidas e saudades! Sei bem o que é viver longe de casa e de tudo o que é nosso! Mas acho sinceramente que é nessas alturas, longe do nosso conforto, que mais abertamente fazemos amizades! E amigas que acho que ficam para a vida....

    ResponderEliminar
  4. Queria ter estado com vocês :( Buaaaaaaaaaaaaaaaaahhhh!!! Da próxima não me escapam :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Falámos tanto de ti!!! Vai melgar a Ana para começarem a planear já uma viagenzinha em Abril ou Maio... :)

      Eliminar
  5. É assim Maria... quando menos esperas por vezes tens boas surpresas :)

    Por muitas saudades, por muitas lágrimas que a distância traga, tens sempre estes pequenos grandes acontecimentos que te rasgam um sorriso uma vez ou outra.

    Conhecendo-te vais ter muitas surpresas boas ao longo da tua estadia em NY!! :)

    Daqui de Lisboa seguem também muitas saudades e a esperança que já em Dezembro nos veremos para me contares TODASSS as tuas aventuras.

    Beijinhos muito grande da prima Filipa

    ResponderEliminar
  6. Odeio despedidas e tal como descreves, são ainda mais difíceis quando estamos fora e vem alguém "de casa" nos visitar. Já passei por essa experiência e ficamos com uma sensação de querer voltar e querer ficar ao mesmo tempo.

    ResponderEliminar
  7. Parabéns pelo blogue e por nos mostrares um pouco de NY (no próximo ano faço intenções de ir até aí e assim já tenho algumas dicas).
    Se um dia quiseres passar pelo meu blogue, serás recebida de braços abertos :)

    ResponderEliminar
  8. Podes falar mais da tua vida em NY? Que para nós, portugueses, parece ser um mundo completamente à parte... Como foi quando aí chegaste? Foi dificil habituares-te à cidade, fazer amigos...

    ResponderEliminar
  9. A Ana não te conhecia, tu não conhecias a Ana mas por certo que houve logo uma empatia entre vocês e um daqueles feelings (aparentemente sem explicação evidente) de que tinham a ver uma com a outra e que se iriam dar bem! :)
    Gosto da maneira como escreves, com sentimento e ao mesmo tempo de forma divertida. Continua!

    ResponderEliminar
  10. Ao anónimo que disse que a Ana só tinha vindo porque tinha casa à borla e cujo comentário apaguei sem querer, informo que a Ana insistiu em pagar parte da renda e das despesas mensais.

    ResponderEliminar
  11. Claro mesmo assim fica-lhe muito mais barato. Se fosse 3 semanas para um hotel era uma fortuna.

    ResponderEliminar
  12. Olá! É a primeira vez que vejo o seu Blog, e cheguei aqui através da Pipoca.
    Mas gostei do que li, e como adoro NY...
    Desejo que corra tudo bem e que partilhe um pouco dessa cidade connosco.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Ó filhinha, nem te dês ao trabalho de responder a gente parva. Eu avisei-te que eles iam cair cá todos. Sou uma Maia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá isso és, sua Maia da blogosfera! Mas não gosto quando são parvos sobre ti, porque és muito fofinha.

      Eliminar
  14. olá,

    vim cá parar através do blogue da Pipoca. se puderes escreve um post sobre as possibilidades de arranjar trabalho aí, pois pelo que percebo é muito difícil entrar no país para trabalhar...

    bjs
    *

    ResponderEliminar
  15. Oh as despedidas. Horríveis. Sejam elas em Lisboa, sejam elas mesmo aqui à porta de casa porque vemos os amigos a entrarem no supershuttle sem saber quando os voltamos a ver. Mas a verdade é que aos poucos custa menos, o coração habitua-se e as lágrimas não caiem com tanta facilidade. E olha que eu sou uma maria madalena, choro por tudo e por nada! Eram verdadeiros oceanos no meu primeiro ano, mas ao fim de três anos e meio a viver em NY o aperto continua mas já me controlo!

    Mas não é tão bom mostrar o que esta cidade tem aos nossos amigos?

    ResponderEliminar